terça-feira, novembro 27, 2007

Proposta de teste - Alberto Caeiro

XLVI
.
Deste modo ou daquele modo.
Conforme calha ou não calha.
Podendo às vezes dizer o que penso,
E outras vezes dizendo-o mal e com misturas,
Vou escrevendo os meus versos sem querer,
Como se escrever não fosse uma coisa feita de gestos,
Como se escrever fosse uma coisa que me acontecesse
Como dar-me o sol de fora.
.
Procuro dizer o que sinto
Sem pensar em que o sinto.
Procuro encostar as palavras à ideia
E não precisar dum corredor
Do pensamento para as palavras
.
Nem sempre consigo sentir o que sei que devo sentir.
O meu pensamento só muito devagar atravessa o rio a nado
Porque lhe pesa o fato que os homens o fizeram usar.
.
Procuro despir-me do que aprendi,
Procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram,
E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos,
Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras,
Desembrulhar-me e ser eu, não Alberto Caeiro,
Mas um animal humano que a Natureza produziu.
.
E assim escrevo, querendo sentir a Natureza, nem sequer como um homem,
Mas como quem sente a Natureza, e mais nada.
E assim escrevo, ora bem ora mal,
Ora acertando com o que quero dizer ora errando,
Caindo aqui, levantando-me acolá,
Mas indo sempre no meu caminho como um cego teimoso.
.
Ainda assim, sou alguém.
Sou o Descobridor da Natureza.
Sou o Argonauta das sensações verdadeiras.
Trago ao Universo um novo Universo
Porque trago ao Universo ele-próprio.
..
Isto sinto e isto escrevo
Perfeitamente sabedor e sem que não veja
Que são cinco horas do amanhecer
E que o sol, que ainda não mostrou a cabeça
Por cima do muro do horizonte,
Ainda assim já se lhe vêem as pontas dos dedos
Agarrando o cimo do muro
Do horizonte cheio de montes baixos.
...........................................................Alberto Caeiro
.
Grupo I
.
1. De entre as afirmações seguintes, identifique aquela que completa a frase, de acordo com o poema.
.
1.1. O texto propõe uma arte poética. De acordo com o sujeito poético, escrever é
a) apresentar o resultado da experiência das sensações.
b) um acto espontâneo e natural.
c) aprender pela sensação os segredos da Natureza.
d) um esforço consciente para a transmissão das ideias.
.
1.2. Quando o sujeito poético afirma "Nem sempre consigo sentir o que sei que devo sentir. / O meu pensamento só muito devagar atravessa o rio a nado / Porque lhe pesa o fato que os homens o fizeram usar" (vv. 14-16), isto significa que
a) o pensamento é dificultado pelas dúvidas humanas.
b) o pensamento não consegue processar a sensação.
c) o convencional inibe a fruição plena do real pelos sentidos.
d) o sujeito poético lentamente supera as inquietações metafísicas.
.
2. Explique em que medida o contacto com os homens é um obstáculo à produção do sujeito poético.
.
3. Clarifique o sentido do último verso da quinta estrofe.
.
4. Justifique a referência final ao sol, ao horizonte e aos montes.
.
5. Refira, apresentando uma fundamentação adequada, em que medida este poema utiliza uma
linguagem característica da poesia de Alberto Caeiro.
.
.

Grupo III
.
Partindo da análise das duas imagens, escreva uma reflexão sobre a vida nas grandes cidades. Redija um texto bem estruturado entre duzentas e trezentas palavras.
.
..
..
..
.
In Exames Resolvidos de Português, Porto Editora (adaptação)
.

3 comentários:

"Entre Aspas" disse...

onde é que está o power point das frases subordinadas?
bjs

Professor disse...

Deve estar doente dos olhos... tire os adesivos... talvez veja...

Maria Ines disse...

Boa noite, estou a analisar este poema e tenho dúvidas na estrofe que diz:

"9 - Procuro dizer o que sinto
10- Sem pensar em que o sinto.
11- Procuro encostar as palavras à ideia
12- E não precisar dum corredor
13- Do pensamento para as palavras
14- Nem sempre consigo sentir o que sei que devo sentir.
15- O meu pensamento só muito devagar atravessa o rio a
16- nado
17- Porque lhe pesa o fato que os homens o fizeram usar."
preciso de apresentar o poema À turma e não consigo perceber a que se refere o autor quando menciona o "fato que os homens o fizeram usar" nem quando diz q o pensamento atravessa lentamente o rio a nado
agradecia resposta breve, obrigada